Matérias / Entrevistas

W.A.S.P.
BANDA PROMETE 'ARREBENTAR' NOS SHOWS NO BRASIL

O grupo liderado pelo vocalista Blackie Lawless, que está lançando o ótimo álbum The Neon God, se apresenta dias 4 (em São Paulo) e 5 (em Curitiba) de junho no festival Extreme Metalfest ao lado de Vader, Brasil Rock Stars e Electric Funeral

Marcos Filippi

Poucas bandas dentro do cenário metal conseguiram atrair simpatizantes das várias vertentes do estilo. O norte-americano W.A.S.P. é um destes exemplos. Com mais de 20 anos de carreira, o grupo liderado pelo carismático vocalista Blackie Lawless conseguiu durante todos estes anos agradar tanto aos fãs do heavy metal e do hard rock quanto àqueles que optam pela linha mais radical como death, thrash e black metal. Até mesmo por isso, o conjunto - que está lançando o ótimo álbum The Neon God dividido em duas partes - foi escolhido para ser a grande atração da quarta edição do festival Extreme Metalfest.

O evento, que também contará com o grupo polonês de metal extremo Vader e os brazucas Brasil Rock Stars (projeto de Andreas Kisser, guitarrista do Sepultura) e Electric Funeral (banda tributo ao Black Sabbath), será realizado dia 4 de junho, em São Paulo, no Via Funchal; e no dia seguinte, em Curitiba, no A1 Music Hall.

Esta será a primeira vez em que o W.A.S.P. tocará no Brasil. Segundo Blackie, o grupo sempre teve vontade de se apresentar no País. "Sabemos que temos muitos fãs no Brasil e sempre tivemos vontade de tocar aí", afirma o vocalista em entrevista exclusiva a Comando Rock por telefone, dos Estados Unidos. "Além disso, várias bandas amigas nossa falaram muito bem dos fãs e também do País. O que acho mais esquisito é que nestes anos todos os produtores daí não tentaram levar a gente. Será um sonho realizado tocar para os brasileiros. Só posso garantir que subiremos ao palco com força total, para 'arrebentar' tudo mesmo."

Para Blackie, tocar em um festival ao lado de bandas de outros estilos do metal não será problema. Segundo o vocalista, normalmente o W.A.S.P. se apresenta em grandes eventos na Europa e nos Estados Unidos com conjuntos de outras vertentes do metal e até mesmo de outros gêneros musicais.
"Poucos sabem, mas uma de nossas maiores influências no início de carreira foi o black metal. Tocar ao lado de outros grupos é sempre curioso. Há bons e maus conjuntos. Mas o mais importante de tudo é que estaremos aí no Brasil."

O W.A.S.P. vem ao País em um de seus melhores momentos de sua carreira nos últimos anos. A banda, que lançou no ano passado o álbum The Neon God, vem colhendo ótimos elogios tanto por parte dos fãs quanto da imprensa especializada. A atual turnê também vem sendo destaque por onde passa.

"A maioria de nossas apresentações está sendo 'sold out'. Isso é sensacional. Acho que estamos passando por um de nossos melhores momentos de nossa carreira. O show que faremos no Brasil será o mesmo que estamos mostrando ao redor do mundo. Mas com algumas pequenas mudanças. Iremos tocar apenas três ou quatro faixas do novo CD. O restante do set list será de clássicos da banda. Volto a afirmar: este show no Brasil será muito especial para mim."

The Neon God levou dez anos para ser concluído. Blackie intercalou seu tempo entre lançamento de outros álbuns e shows e a composição deste trabalho. O disco conta a história de Jesse Slane, uma criança que é abandonada pela mãe alcoólatra em um orfanato logo após a morte de sue pai. Na instituição, o jovem sofre abusos sexuais de uma freira, além de ter vários traumas emocionais que fazem com que Jesse tente o suicídio. No hospital, conhece uma pessoa que acabaria mudando sua vida. Jesse vira uma espécie de líder religioso que sai pelo mundo pregando a palavra de Deus.

"Quando comecei a pensar neste álbum, passei a fazer várias perguntas a mim mesmo. Por que estamos aqui? Quem somos nós? Existe algo depois da morte? Existe um Deus? Foi a partir destes questionamentos que passei a compor o CD. Minha idéia é que as pessoas que comprem o álbum também passem a se questionar sobre estas dúvidas."

The Neon God poderia ser facilmente comparado a um roteiro de um filme. As letras acabam montando uma história intrigante e questionadora. Ao ler as composições, o fã "viaja" na saga de Jesse Slane. È como se fosse um romance, uma ópera rock.

"The Neon God é um disco conceitual, onde todos os personagens interagem com Jesse. Realmente escrevi as letras do álbum como se fosse um roteiro, mas não é minha idéia que o CD vá parar nas telas do cinema. Optei em escrever primeiro a história toda, depois fiz as músicas e no fim é que compus as letras."

Após a turnê pela América Latina (o W.A.S.P. também irá se apresentar na Argentina, Chile e México), Blackie, Mike Duda (baixo), Frankie Banali (bateria) e Darrel Roberts (guitarra) ainda não sabem exatamente o que farão. O que é certo é que irão tirar alguns meses de férias.

"Estamos cansados e precisamos de um tempo de descanso. Ainda não sei o que faremos depois. Ainda não decidimos se gravaremos um novo álbum de estúdio ou algo ao vivo. Temos muito tempo para ver qual será o próximo passo. Levei dez anos para compor e lançar The Neon God. Foi algo pessoal que queria fazer e estamos colhendo ótimos frutos."

Mais informações sobre o IV Extreme Metalfest podem ser obtidas através do site www.tumbaprod.com.

Voltar