Matérias / Entrevistas

GRAVE DIGGER
BODAS DE HEAVY METAL CELEBRADAS NO BRASIL

A banda alemã, que lançou o polêmico The Last Supper recentemente, vem ao Brasil para a gravação do DVD em comemoração pelos 25 anos de carreira

Antonio Rodrigues Junior

Vinte e cinco anos de heavy metal é uma marca que poucos grupos conseguem conquistar, mas é a idade que o conjunto alemão Grave Digger alcançou este ano. Para a comemoração das "Bodas de Prata", a banda escolheu o Brasil como local. O quinteto estará gravando o DVD comemorativo no próximo dia 7, no DirecTV Music Hall, na capital paulista. O grupo, liderado pelo vocalista Chris Boltendahl, promete uma apresentação especial, que deve englobar toda a trajetória dos alemães.

Este ano, o quinteto - que traz ainda Manni Schmidt (guitarra), Jens Becker (baixo), Stefan Arnold (bateria) e HP Katzenburg (teclado) - lançou o disco The Last Supper (A Última Ceia), que pode ser considerado como o mais polêmico da carreira. Apesar de não ser um álbum conceitual, o tema central é a religião, incluindo a crucificação de Jesus Cristo e o período que o antecedeu.

O fato que gerou mais manifestações negativas foi a capa, que traz a imagem de um Cristo desolado e sozinho em sua última ceia e, atrás dele, a presença da morte (o velho estereótipo da caveira coberta por uma capa preta e carregando a foice). A morte, que é chamada de The Reaper, é o mascote do Grave Digger, sendo representada nos shows pelo tecladista HP.

Agora, o quinteto chega ao País para duas apresentações - a de São Paulo, dia 7, e a outra ocorrerá um dia antes no Espaço Caldas, em Curitiba -, que prometem ser históricas. Já que o grupo garante realizar um show maior trazendo sucessos de todas as fases do conjunto, desde o álbum de estréia Heavy Metal Breakdown (84).

"Escolhemos São Paulo porque é a capital do heavy metal", anima-se o vocalista Chris em entrevista a Comando Rock. "Estamos muito excitados em voltar aí, pois vocês são os fãs mais loucos do mundo. Iremos celebrar nosso 25o aniversário com um set list especial. Tocaremos 25 canções de todos os períodos de nossa história. Acredito que o lançamento do DVD será em novembro no dia exato de nosso aniversário. O vídeo digital também trará uma apresentação realizada em dezembro, na Alemanha, além das naturais cenas de backstage e outras especiais, mas não posso contar neste momento."

Logicamente que esta turnê pela América do Sul - uma terceira data em Buenos Aires, Argentina, está agendada - também será utilizada para divulgação no novo álbum de estúdio The Last Supper. O CD de 12 faixas acaba de ser lançado no Brasil e mostra um heavy metal ainda mais tradicional, deixando de lado os flertes com as orquestrações, que foram utilizadas no último trabalho Rheingold (2003).

"Compomos em três finais de semana e gravamos em aproximadamente três semanas", conta o líder. "Nós queríamos ter uma mistura sonora do The Grave Digger (2001) e Rheingold e, na minha opinião, isso funcionou perfeitamente. A música volta a suas raízes com um som mais moderno."

Desta forma, o Grave Digger estacionou a trilogia iniciada em Rheingold. Quando foi lançado, a banda anunciou que este seria o primeiro trabalho de uma série de três. O CD, que traz uma sonoridade recheada de orquestrações e arranjos complexos, foi inspirado na obra Ring of the Nibelungs, de Richard Wagner. Porém, acabou sendo deixada em segundo plano com o lançamento no novo disco.

De volta ao velho estilo, os temas escolhidos para este CD foram mais gerais, porém a religião é o principal. A vida de Jesus Cristo é um dos assuntos tratados, como ouvimos em "The Last Supper", "Crucified" e "Divided Cross". Assim, a continuação da trilogia iniciada no trabalho anterior acabou sendo adiada para um próximo CD. "Esse álbum não é conceitual, mas fala sobre um tema principal: a religião e a fé de todas as formas. Queria escrever uma canção que falasse sobre a vida de Cristo há muito tempo e vi que este ano era o momento certo para isso. Acho que o próximo disco continuará a trilogia, já tenho algumas boas idéias para ele. Estou muito orgulhoso com The Last Supper e também da sonoridade e da arte dele."

Como já era de se imaginar, a abordagem religiosa gerou uma certa discussão já que o tema é polêmico. Após a divulgação da capa do disco, alguns fãs se mostraram insatisfeitos, o que levou o grupo a soltar uma nota deixando claro que não se tratava de uma mensagem satânica e não há nada contra os cristãos.

"Em todos os nossos álbuns você vai achar The Reaper e não existia um cenário melhor do que colocá-lo atrás de Jesus, enquanto ele fazia sua última ceia. Teve duas pessoas dos Estados Unidos reclamando da imagem. Isso foi tudo. Então, do jeito que eu vejo, nós não tivemos problema algum com as reações quanto à arte. Resolvemos emitir a nota para esclarecer caso outros fãs também se impressionassem com a capa."

Desta forma, com uma "boa e velha" polêmica, o quinteto alemão chega a idade de 25 anos de estrada. A banda, que surgiu durante o "boom" de grupos alemães (como Running Wild, Helloween e Accept), coleciona 17 trabalhos lançados, entre discos de estúdio, ao vivo e coletâneas. Além de seu nome registrado nas páginas da história do heavy metal. "Eu faria tudo o que fiz nos últimos 25 anos de novo. Naturalmente, evitaria erros, como os anos de Digger (PS: o conjunto assumiu esse nome em 87 e lançou Stronger Than Ever - disco mais comercial e voltado ao hard rock), mas tudo junto foi uma coisa maravilhosa e um tempo muito interessante."

Voltar