Matérias / Entrevistas

THE IRON MAIDENS
A VERSÃO FEMININA DA DONZELA DE FERRO

O quinteto feminino, que tem o aval dos membros oficiais do Iron Maiden para tocar suas canções, lança o primeiro CD em homenagem ao sexteto com direito a capa criada por Derek Riggs

Antonio Rodrigues Junior

É incalculável a popularidade do Iron Maiden. Ano após ano, os britânicos colecionam lançamentos de sucesso e turnês ovacionadas pelo público. Muitos os consideram como a maior banda de heavy metal de todos os tempos. Outros chegam ao extremo de considerá-los como uma religião. Esse sucesso todo vem se multiplicando em grupos covers (ou tributos) pelo mundo afora. Entre os milhares que os homenageiam, um vem ganhando destaque: The Iron Maidens.

O primeiro fato que chama a atenção é que a banda californiana - que tem o aval do conjunto oficial para tocar suas canções - é composta apenas por mulheres: Aja "Bruce Chickinson" Kim (vocal), Josephine "Adrianne Smith" Draven (guitarra), Sara "MiniMurray" Marsh (guitarra), Wanda "Steph Harris" Ortiz (baixo) e Linda "Nikki McBURRain" McDonald (bateria). Algumas dessas "donzelas" já tiveram a honra de realizar uma jam com integrantes do grupo oficial.

Como se já não fosse suficiente para se destacar, as integrantes lançaram o primeiro disco oficial. O CD homônimo, que foi gravado no mesmo estúdio dos trabalhos solos de Bruce Dickinson, traz dez clássicos da "donzela de ferro" interpretadas pelas garotas. A capa do álbum é desenhada por ninguém menos que Derek Riggs - desenhista responsável pela maioria das artes do Iron Maiden - e traz uma versão feminina do mascote Eddie, intitulada Edwina.

Nesta entrevista exclusiva a Comando Rock, o quinteto feminino fala sobre o nascimento da banda cover, relata a experiência de tocar com membros do Iron Maiden, conta tudo sobre o primeiro trabalho e a criação de Derek Riggs, declaram a vontade de vir ao Brasil e muito mais.

Comando Rock: Para iniciar a entrevista, gostaria que nos contasse como surgiu a idéia de montar um tributo feminino e por que escolheram o Iron Maiden?
Linda McDonald: Se você vai se aprofundar numa banda tão intensamente, de forma que você aprenda como chegar o mais próximo da gravação original, então tem de escolher um que goste mesmo para prestar um tributo. Pessoalmente, nunca canso de escutar o Maiden. Não havia escolha melhor! O fato de ter cinco mulheres, que amavam igualmente, tornou a opção mais fácil ainda.

O tributo tem o aval do próprio conjunto britânico. Qual é a sensação de contar com o apoio dos membros do Iron Maiden?
Aja Kim: É uma sensação ótima! Fazemos isso porque realmente amamos e queremos dividir isso com outros fãs. Julgando pelo número de pessoas que tem vindo aos nossos shows, tem muita gente que se sente da mesma forma.
Linda: Eles apreciam muito todas as bandas-tributo. É uma honra saber que nos conhecem. Parecem gostar do fato de sermos mulheres.
Josephine Draven: É definitivamente um alívio. Depois de passar anos fazendo esse tributo, ter a aprovação dos caras de verdade... Devemos ter feito algo certo!

Algumas de vocês inclusive já realizaram uma jam com o baterista Nicko McBrain. Como foi essa experiência?
Aja: Foi em uma jam bastante animada comigo e a Wanda, quando ele veio para a cidade fazer uma performance beneficente. Ele foi muito amigável e divertido, mesmo nos deixando bastante nervosas! Elogiou meu jeito de cantar, o que significou muito para mim, já que toca com o melhor vocalista de todos os tempos.

O grupo britânico atualmente é formado por um sexteto. Vocês, que atualmente trabalham em cinco, já pensaram em chamar uma terceira guitarrista?
Josephine: Gostamos da idéia de fazer um tributo da época The Number of the Beast (82) e Piece of Mind (83), mesmo fazendo covers das outras fases. Não temos uma terceira guitarrista pela mesma razão que não chamamos nossa vocalista de Bailey ou Di'Anno e uma guitarrista de "Denise Stratton".

Vocês lançaram (em abril) o primeiro disco contendo apenas faixas dos ingleses. Por quê?
Linda: Porque as pessoas sempre perguntam se tínhamos algo gravado. O Maiden tem fãs muito dedicados e que gostam de comprar tudo que é relacionado a ela. Fomos encorajadas a fazer isso pelo público. Tínhamos uma agenda apertada. Desejávamos ter tido mais tempo. Tivemos mesmo de acertar em poucos takes.
Aja: As performances estão muito orgânicas. O que você ouve é o que fazemos nos shows. Nós gravamos e mixamos no estúdio Silver Cloud, no qual Bruce Dickinson gravou seus álbuns solo: Balls to Picasso (94), Accident of Birth (97) e The Chemical Wedding (98). O lugar deu uma boa vibração e tinha muita energia criativa no ar. Acho que todo mundo fez um ótimo trabalho e estou muito feliz com o resultado.

Inicialmente, o disco será vendido apenas pela Internet. Como surgiu a idéia e como irá funcionar?
Wanda Ortiz: Estamos usando a Internet porque é o jeito mais fácil de conseguir que nosso CD chegue até o público. As pessoas podem comprar o álbum visitando o nosso site (www.theironmaidens.com).
Aja: Também os vendemos em nossos shows. Recebemos algumas propostas de algumas distribuidoras, então estamos estudando a possibilidade de também vendê-lo nas lojas.

Uma curiosidade sobre o álbum é que terá uma versão feminina do mascote Eddie e a capa será desenhado por Derek Riggs. Como surgiu o oportunidade e qual será o nome da mascote?
Aja: Estamos muito honradas com o fato de nossa capa e nosso "monstro" ser um trabalho de Derek Riggs. Ele acrescentou aquela coisa a mais de autenticidade para esse tributo, que somente ele poderia dar.
Linda: Ficamos emocionadas de tê-lo fazendo a capa de nosso disco. Foi a cobertura do bolo. Fez desse tributo o mais verdadeiro Maiden possível.
Wanda: Por agora, a chamamos de Edwina T. Head, pois esse é o nome que Riggs escreveu em baixo do desenho quando nos mandou. Provavelmente porque é a versão feminina do nome Eddie, mas não decidimos o nome dela oficialmente.

Em relação as apresentações ao vivo, como é a reação do público?
Wanda: Muitas pessoas não esperam ver mulheres tocando música dessa natureza, mesmo tendo mais garotas fazendo isso hoje em dia. Eu vejo olhares surpresos das pessoas quando nos vêem tocando. Mas, depois das primeiras canções, os preconceitos são deixados de lado e todo mundo começa a se divertir.

Os ingleses incluem em seus shows um pouco de teatrização, principalmente pela participação do mascote. Vocês mantém esse lado?
Josephine: Temos nosso próprio Eddie que muda de roupa em algumas das músicas, de acordo com a época de cada canção. Temos nosso engenheiro de palco que prepara todos os tipos acessórios que possam melhorar o show.
Wanda: O aspecto visual é uma das coisas que ajudou o Iron Maiden a sobressair. Tentamos fazer de nossas apresentações as mais próximas possíveis com as deles, com as roupas, efeitos especiais e nosso próprio Eddie.

Vocês participaram do festival The Smoke Out (em novembro de 2002), que é quase todo dirigido ao público hip hop. Como foi a reação das pessoas a um show de heavy metal?
Josephine: Eles têm muitos palcos nos festivais. Tivemos uma boa platéia que estava lá para ver os shows de rock e alguns caras de hip hop, que gostaram de nossa apresentação. No fim das contas tudo correu bem!
Sara Marsh: Conversei com um cara que me disse que no The Smoke Out foi a primeira apresentação nossa que viu e que não perde mais um show! A maioria das pessoas que gostam de metal, não curtem rap, mas isso não acontece com quem curte rap.

O Iron Maiden possui milhares de fãs espalhados pelo Brasil. Inclusive gravaram o CD e DVD ao vivo Rock in Rio aqui. Na última passagem pelo País, o sexteto lotou um estádio (Pacaembu, em São Paulo) com mais de 50 mil pessoas. Vocês sabiam desse fanatismo no Brasil? Quais são as chances dos fãs brasileiros as conhecerem?
Linda: Sim, estamos conscientes! O Brasil ama heavy metal! Estaríamos aí o mais rápido possível se um promotor certo nos convidasse. Adoraríamos poder celebrar o trabalho do Iron Maiden com todos os fãs brasileiros! Nos liguem, vamos fazer isso acontecer!
Aja: Todas já vimos a apresentação que aconteceu no Rock in Rio. Gostaríamos muito de poder tocar para as pessoas no Brasil. Tenho muitos amigos na América do Sul e me apresentei no Equador há alguns anos com Wilma Palma, uma banda de rock Argentina. Amei as pessoas e foi uma experiência incrível!

Antes da formação do The Iron Maidens, Linda e Josephine participavam do grupo Phantom Blue. O que aconteceu com o conjunto?
Linda: The Iron Maidens cresceu e toma todo o nosso tempo! É realmente uma surpresa como esse projeto deu certo. Era para ser algo divertido que faríamos uma vez por mês ou em nosso tempo livre. Mas parece ter uma grande demanda de fãs nos Estados Unidos e no resto do mundo. As pessoas não se cansam do Maiden. O Phantom Blue continua vivo, mas ficou relativamente inativo desde que esse projeto tomou grandes proporções.

Voltar